Casamento Elvis Presley e Priscilla Presley e filme “Elvis e Eu”

 

elvis and prisc

Elvis-Presley-and-Priscilla-cutting-their-wedding-cake-May-1-1967-400x309

 

Há 47 anos Elvis se casou com Priscilla em Las Vegas.

Sabe aqueles filmes que você assiste repetidamente sem parar quando é criança e não enjoa? Pois é… Um dos filmes – passava direto no SBT – que eu mais assisti ao longo da minha infância 80´s foi “Elvis e Eu” (Elvis and Me)…Sabia as falas de cor!

Ahhh… O tanto que eu procurei esse filme dublado depois de “velha” não está escrito. Acabei desistindo de encontrar. Até com colecionadores entrei em contato, sem obter êxito.

E hoje, bem no dia que completa 47 anos que Elvis se casou com Priscilla…Tchanámmm!!! Acheiiiiiii!!! Dublado!!! ♥

Será que ainda sei as falas?! rsrs

Se nunca assistiu e é fã do Elvis, vale à pena…

Apaixonada pela dublagem das antigas!!! Que saudadessssssssssssssss!!! :)))))

 

 

 

Anúncios

See the Unseen

Por favooooooooor!!! O que foi essa campanha da BBDO Germany para a agência Spuk Pictures?!?!?!

A ideia era demonstrar, através do slogan  “See the Unseen” que na Spuk você encontra todos  os tipos de imagens imagináveis (ou não).

Achei fantástica a forma como ilustraram o slogan! Simplesmente usaram fotos famosíssimas, porém as mostraram de outros ângulos, jamais vistos.

Veja por si mesmo(a) e tire suas próprias conclusões!

Capa do álbum Abbey Road, dos Beatles

‘Lunch atop a Skyscraper’ (Almoço no Alto do Arranha-Céu), 1932

A foto original ´Lunch atop a Skycraper´ foi tirada em 1932 por Charles Ebbets,  durante uma reportagem que denunciava as precárias medidas de segurança no trabalho dos operários da construção civil daqueles primeiros arranha-céus. A imagem é da construção do edifício Rockefeller Center, tirada no 69º andar e foi publicada juntamente com outras em um suplemento dominical do New York Herald Tribune, no mesmo ano.

Capa do álbum Nevermind, do Nirvana

Marilyn Monroe em “The Seven Year Itch” (O Pecado mora ao lado), filme de 1955.

O vídeo abaixo mostra como foi produzida a campanha:

Eu a-do-rei!!!

Shu Uemura – Holiday Collection

Época de festas de final de ano é uma loucura, especialmente para o comércio. Mas tenho que confessar que inventam cada coisa linda, em especial as empresas de cosméticos, que criam kits exclusivos super charmosos!

Uma marca que me chamou a atenção foi a  Shu Uemura. Adoro cultura japonesa, incluindo aí cinema, artes, culinária e…beleza!!! Ah…as garotas fazem cada maquiagem…Love it!

Então…para as festas de fim de ano a Shu Uemura fez uma parceria com o premiado escritor/diretor chinês Wong Kar Wai para criar a coleção Rouge et Bleu. Ele é conhecido por seus filmes super estilizados,  poéticos e exuberantes, como Happy TogetherMy Blueberry Nights e In the Mood for Love.

Wong dirigiu esse filminho exclusivo, chamado Mask, inspirado na coleção Rouge et Bleu, que tem batons, máscaras de cílios, pincéis, esmaltes, demaquilante, cílios postiços, blushes e lindas paletas de sombras, com embalagens lindas!

Por enquanto não temos Shu Uemura no Brasil, mas fica a dica para quem for viajar! :)

Aproveitem o vídeo, é belo!

Fotos e vídeo: Reprodução.

Jovem Ainda: “Bonequinha de Luxo” e seus 50 anos.

Em 2011 o filme “Bonequinha de Luxo” (Breakfast at Tiffany´s) completa 50 anos e pipocaram comemorações  em diversas partes de Nova York,  não sem motivo, né?!

O cinquentenário desse clássico hollywoodiano dos anos 60 recebeu todo o glamour ao qual faz jus, com direito ao lançamento do livro Quinta Avenida, 5 da Manhã, do jornalista Sam Wasson, um box de DVDs da Paramount  repletos de extras (tais como fotos, livro e uma carta assinada pelo diretor Blake Edwards), além de uma projeção especial do filme pela Academia de Hollywood e um baile de gala no Lincoln Center, em NY.

Sucesso absoluto?! Hoje, certamente. Mas o filme, que é dos maiores clássicos do cinema, que influenciou a moda, o comportamento e o estilo de diversas gerações até a atualidade,  não foi tão simples de suceder quanto aparenta.

A começar pela história do livro homônimo de Truman Capote, que foi um escândalo quando de seu lançamento em 1958: tratava-se da história da moça que chega em Nova York à procura de um homem para sustentá-la, mora sozinha e dá festas e mais festas, além de ser extremamente liberal, sexualmente falando (em verdade, ela era uma garota de programa, mas isso foi bem camuflado no filme).

A princípio, Truman Capote queria Marilyn Monroe para o papel da protagonista da história (Holly Golightly) e não é difícil de entender o porquê: à época, Marilyn era um dos maiores símbolos sexuais do cinema e nada mais justo que ela, lançando mão de um belo decote e red lips fosse a escolhida.

Mas, por insistência do diretor Blake Edwards (God Bless you, Blake!), Audrey Hepburn acabou sendo escalada para o papel, mas a muito custo: Audrey chegou a recusar o papel ao ver os detalhes que o envolviam, especialmente por ter se tornado mãe pouco tempo antes e por prezar muito sua vida pessoal. Àquele tempo, ser solteira e liberal era muito mal visto. Daí os produtores e roteiristas do filme terem de adaptar o livro para as telas. Deu certo, viu?!

O figurino é uma conversa à parte, que ficou sob os cuidados da figurinista-mor da Paramount – e de Hollywood, diga-se de passagem-, Edith Head,  que se juntou a ninguém menos que Hubert de Givenchy para vestir nossa musa. Sim! Esse último é o responsável pelo famoso “pretinho básico” que todas agradecemos até hoje! Para a platéia da época, foi como um suspiro de alívio, já que o figurino do filme conseguiu transmitir ao público uma moda sofisticada e “usável”, diferentemente da maioria dos filmes da década de 40 e 50, que ficava restrito somente à telona.

Na inesquecível cena de abertura do filme, Holly toma seu delicioso café da manhã em frente à joalheria Tiffany´s, em plena Quinta Avenida – considerada pela personagem o melhor lugar de Manhattan (e o jeitinho de andar dela nessa cena, gente?! Muito peculiar!). A imagem  foi eternizada com a luminosidade de Audrey,  em um casamento perfeito entre simplicidade e elegância, com um vestido Givenchy preto até os pés, colar de pérolas e óculos escuros enormes, que sintetizam perfeitamente o estilo da atriz no filme.

A quem interessar, a casa onde viveu a personagem Holly Golightly está à venda em Manhattan, por “módicos” US$ 5,85 milhões: 169 East 71st Street

É um clássico que realmente merece tamanha comemoração e reconhecimento por completar meio século. Deixo minha homenagem final com uma das cenas mais doces do cinema, em que Holly G. (na pele de Audrey), melancólica, canta Moon River – canção de Henri Mancini (dispensa comentários!). Aliás, outra curiosidade: depois de editado o filme, alguns executivos da Paramount quiseram cortar essa cena (loucos!!!) e Audrey respondeu (ufa!), categórica: “Só se for por cima do meu cadáver”. Obrigada Audrey, nossa eterna Bonequinha de Luxo!

Fotos e vídeo: Reprodução.

Fofuras da Semana

Essa semana compartilhei no Facebook  as duas fofurices que postarei aqui, mas não resisti e tive que fazer um post a respeito pois ambas são o cúmulo da fofura!!!

A primeira são dois bebês soooo cute vestidos de Wayne Campbell (interpretado por Mike Myers) e Garth Algar ( interpretação de Dana Carvey), os protagonistas do filme  Quanto Mais Idiota Melhor (Wayne’s World), de 1992:

 

 

Olhem só para isso:

 

Já sei…Deu vontade de morder, né?! Isso é porque vocês não viram o bebê americano Rizden fantasiado de Carl Fredricksen, o velhinho rabugento e vendedor de balões  de Up – Altas Aventuras, animação da Disney de 2009:

 

 

 

 

 

Não me aguento…É muita fofura para um bebê só!!! Digam se eu estiver exagerando:

Rizden tem apenas um aninho e, segundo o site Huffington Post,  foi “eleito” o mais bem vestido do Halloween deste ano nos EUA e não foi à toa, né?!

 

 

Sua mãe, a fotógrafa Stephanie Read, aproveitou que ele tem o cabelo bem clarinho, para fantasiá-lo de Carl, arrematando a fantasia com um andador (já que o lindinho está aprendendo a andar) feito de canos e bolinhas de tênis – bem fiel ao do personagem – e vários balões (o que, além de indispensável à fantasia, deu um toque super charmoso à foto).

 

 

Para quem nunca viu Up – Altas aventuras, vou deixar o trailer aqui, mas sugiro que largue A-GO-RA o que estiver fazendo e saia correndo para assistir o filme todo!!! É maravilhoso (eu chorei durante o filme quase inteiro) e super divertido!

 

 

Simplesmente cute!

 

Fotos: Reprodução.

Audrey is Gap in Black (2007)

Comercial Gap in Black  (2007).

 

 

 

Dispensa comentários!!!

 

 

Pena estar dessincronizado (não achei melhor) :(

 

Imagem e Vídeo: Reprodução.